terça-feira, 18 de setembro de 2018

SETEMBRO AMARELO É VIDA


Imagem relacionada

Ontem, não resisti ao passar por um jardim e avistar uma margarida desabrochada. Rapidamente meti a mão por entre as grades e apanhei a bela flor e carreguei comigo para o trabalho...Hoje a vejo caída sobre o computador, morta. Suas vivas pétalas brancas arriadas, como se fosse um último suspiro, seu miolo amarelo ficando opaco como o olho de um peixe morto...e tudo por um egoísmo que não faz sentido, não bastava vê-la e guardá-la na mente?, numa bela memória?, mas antes de pensar isso, minha mão já estava com a flor, que parecia sorrir para mim no trajeto, agora sei, era dor, a dor da morte. Até a agonia da flor é bela, como um poema triste. Setembro ainda não me sorriu com uma bela árvore de ipê amarelo, carregado de flor no meu caminho. Setembro tem o dia da árvore e também é um mês de alerta contra o suicídio. Um poeta disse uma vez que existem flores amarelas e medrosas, e por muito tempo acreditei, embora Van Gogh tenha explorado as várias faces do amarelo, fazendo luz, claridade aos caminhos. E ela continua ali, na minha frente, morta. Minha margarida morta por meu egoísmo, por minha vaidade...O amarelo vem do Sol, que aquece e traz alegria. Os risos na beira dos rios, de crianças inocentes, brincando sob o calor amarelo do Sol. Agora sofrendo com a agonia de morte da margarida na minha frente, sobre o meu computador. E não precisava de nada disso, bastava eu ter olhado mais atentamente ao jardim que posso ver pela janela, bastando me virar um pouco mais para a esquerda, as margaridas em botão, prestes a abrir para a vida, para a cor, para a beleza de setembro, que ainda não me sorriu com sua mais bela árvore, o ipê amarelo...enquanto setembro adentra e se equilibra para que as flores possam nos brindar com sua bela, suas cores e felicidades, guardemos no coração o desejo de vida, de amor, de esperança, que o amarelo da Mãe Oxum nos proteja do mal, da morte, da dor, da solidão. Esperemos que o Sol de setembro derrame sobre nós as alegrias de sua cor amarela, do seu brilho, da sua luz, fazendo com que as margaridas fiquem vivas em minha janela e que meu desejado ipê amarelo sorria para mim.


cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nasceram flores amarelas e medrosas.”

by Carlos Drummond de Andrade



Imagem relacionada


sexta-feira, 24 de agosto de 2018

UMA QUASE IMPROVÁVEL LEMBRANÇA


Imagem relacionada

Uma quase improvável lembrança, não fossem teus olhos negros, que ainda me perseguem nos sonhos e pesadelos que tive, depois de tua partida, há muitos anos atrás. Não é saudade, já superei esta fase. A nostalgia faz parte de minha personalidade, assim como a melancolia, que se arrasta comigo estes anos todos de solidão. Com o passar do tempo se acostuma a ser só, a viver só, estar só em casa, acostumei. Não sinto teu toque há muitos anos e já esqueci a temperatura dele, se tinha vertigem e prazer, não sei mais como era...é só por hoje, e isso passa, como passa o mundo diante de meus olhos atônitos com tanta violência e falta de amor, o mesmo amor que já me inundou, hoje faz falta em minha vida e no mundo. O tempo faz a memória falhar, até esquecer ou me esquecer de mim com teu corpo ainda próximo...agora distante e pueril, esquecível e invisível. As raras e perdidas lembranças se esvaem, como teu amor por mim, que acabou, simplesmente. Me pego caminhando até a janela de meu quarto e olhando o céu, as nuvens, o vento, o tempo e os pequenos seres alados, sobrevoando minha cabeça, me deixando tonto de alegria e esquecimento. Abrindo a possibilidade da alegria em minha vida, da luz e da harmonia. Estar em paz, mesmo só, mesmo caminhando distante de casa, da janela...subindo as montanhas tentando me explicar esta necessidade de viver só. O Tarot veio em meu socorro, o que explicou muita coisa em minha vida. O Eremita é minha carta...uma quase improvável lembrança, não fossem os pássaros em bandos cantarem sobre minha cabeça, me fazendo esquecer e me encontrar feliz comigo mesmo.
 

terça-feira, 21 de agosto de 2018

ESTAMOS VIVOS AINDA

Resultado de imagem para quem sabe um dia eu escrevo uma canção pra voce


NATÁLIA

Vamos falar de pesticidas
E de tragédias radioativas
De doenças incuráveis
Vamos falar de sua vida
Preste atenção ao que eles dizem
Ter esperança é hipocrisia
A felicidade é uma mentira
E a mentira é salvação
Beba desse sangue imundo
E você conseguirá dinheiro
E quando o circo pega fogo
Somos os animais na jaula
Mas você só quer algodão doce
Não confunda ética com éter
Quando penso em você eu tenho febre
Mas quem sabe um dia eu escrevo
Uma canção pra você
Quem sabe um dia eu escrevo
Uma canção pra você
É complicado estar só
Quem está sozinho que o diga
Quando a tristeza é sempre o ponto de partida
Quando tudo é solidão
É preciso acreditar num novo dia
Na nossa grande geração perdida
Nos meninos e meninas
Nos trevos de quatro folhas
A escuridão ainda é pior que essa luz cinza
Mas estamos vivos ainda
E quem sabe um dia eu escrevo
Uma canção pra você
Quem sabe um dia eu escrevo
Uma canção pra você
 
by Legião Urbana

terça-feira, 14 de agosto de 2018

MUSGO

Resultado de imagem para poemas de emily dickinson em ingles e portugues
Emily Dickinson


Morri pela Beleza – mas mal eu
Na tumba me acomodara,
Um que pela Verdade então morrera
A meu lado se deitava.
De manso perguntou por quem tombara…
– Pela Beleza – disse eu.
– A mim foi a Verdade. É a mesma Coisa.
Somos Irmãos – respondeu.
E quais na Noite os que se encontram falam –
De Quarto a Quarto a gente conversou –
Até que o Musgo veio aos nossos lábios –
E os nossos nomes – tapou.



by Emily Dickinson
por Jorge de Sena

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

RUMO


Resultado de imagem para RUMO

Navegando por entre mares desconhecidos e silenciosos encontro meu eu mais profundo e esquecido, tão sereno e feliz. Naõ havia Netuno, nem sereias, nem fadas da água...apenas meu eu puro e profundo de mim. Sentado no fundo desse mar azul olhando os peixes que por ali circulavam. Antes de me afogar, acordo. É madrugada ainda, mas meu sono não existe mais. Sou tomado por pensamentos, lembranças...Ainda é escuro, o dia demora raiar, mas o frio faz com que fique na cama, esperando o tempo passar, o dia surgir e a vida seguir seu rumo. Espero ansioso a manhã de segunda-feira, para me ocupar no trabalho, não pensar, não saber o que se passa no mundo. Pode ser alienação, pode ser egoísmo meu, mas minha dor esta calada, e se ver o que realmente acontece no mundo, minha dor gritará e não terei mais paz, nem calma, nem felicidade, nem tempo, sem sono, como nesta madrugada. Tentei ainda buscar o mar desconhecido que sonhava, mas não fechei mais os olhos, esperando o amanhecer. Talvez seja o antidepressivo que tomo todas as manhãs, que me traz esta sensação de tranquilidade, talvez falsa...mas prefiro assim. Não suporto mais chorar minha falta de amor, não suporto mais me queixar a falta de grana, nem a fome que às vezes sinto. Prefiro assim, navegar neste mar estranho e tranquilo, dormindo ou acordado...Ainda é escuro, o dia demora raiar, mas o frio faz com que fique na cama, esperando o tempo passar, o dia surgir e a vida seguir seu rumo.

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

DEUS PROVERÁ


          Resultado de imagem para PÁSSAROS NA JANELA
para Eliana e todos os pássaros que frequentam sua casa


          Meu nome é Azulão, este é meu nome porque pareço um azulão, minhas penas e penugens são tão pretas...Taí meu nome, aliás, no meu bando, somos todos assim. O pavor dos arrozeiros, pois comer arroz na casca, não tem nada melhor. Mas não é disso que falo agora. Desde pequeno eu não sabia quem era, olhava, olhava e éramos todos iguais. Pássaros azulões.
          Mas decidi voar por outros ares, encontrar novos amigos. Voei, voei até encontrar meu primeiro amigo, e ele era verde e bicudo. Ele me ensinou muitas coisas, como saber que existem os pássaros, nós, e, os que comandam e destroem tudo, os seres humanos. Falei que voava a dias e não havia encontrado nenhuma lavoura de arroz, e estava com muita fome. Então numa bela revoada o papagaio gritou na língua dos homens: não te preocupes, vá com Deus, ele proverá. Quem é Deus ? perguntei. Ele já sumindo, ainda gritou: Ele tudo pode...Ele é tudo...Ele proverá. E sumiu na imensidão da casa. Foi então que percebi, estava na cidade, e com muita fome.
          Amanhecia o dia e iniciei meu voo a esmo. Estava começando a sentir saudades daquele bando barulhento de azulões, que agora aqui, acho até engraçado. Opa, quase fui atropelado por um sabiá, e logo um sabiá ! Estava numa roleta russa de pássaros de todos os tipos: pardais, canários, periquitos, pombas...era uma gritaria, o que reforçou minha memória das saudades de minha família. Fui atrás e indaguei para onde iriam. E todos respondiam: Deus proverá, Deus proverá. Já seguindo eles lembrei do papagaio e de minha fome, porque se demorar muito não terei mais forças para bater as asas.
          Quando dei por mim já estava em outro lugar, parecido com o local onde encontrei o papagaio, era um pátio, melhor, os fundos de um pátio. Todos assentaram-se nos galhos de uma grande figueira, que fica de frente para uma grande janela de vidro. Já haviam muitos pássaros, e todos repetindo: Deus proverá, Deus proverá...Estava já meio tonto, quando de repente vislumbro uma sombra, ninguém voou, mas o alvoroço era grande.
           Era uma senhora alta, de óculos, roupão e um jornal debaixo do braço. Ligou a água para aquecer e veio se aproximando da janela, para delírio de alguns que já esboçavam voos em torno de si, na grande árvore, chegando perto da janela os mais ousados. Percebia um sorriso naquele rosto claro de mulher madura, satisfeita com sua rotina. Quando ela abriu a janela, a festa foi geral, todos gritavam: Deus proverá, Deus proverá...Então ela jogou vários tipos de sementes e outros alimentos, daí a festa foi geral.
          Estava imóvel no galho, quando percebi que ela olhava-me fixamente, com aquele olhar que só Deus possui, e ela poderia ser Deus, pois estendeu-me a mão. Sim, era para mim.........estava com muita fome, cansado, fraco, então lancei-me num voo cego. Talvez fosse meu último voo. Acho que desmaiei, acordo em suas mãos, segurava-me com uma e acariciava-me com a outra, e para meu espanto sobre a mesa já com seu café preparado, muito arroz com casca. Eu e Deus tomamos nosso desjejum.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

PÁSSARO-PALAVRA

Imagem relacionada


PÁSSAROS

Amada vida.
Que essa garra de ferro
Imensa
Que apunhala a palavra
Se afaste
Da boca dos poetas
PÁSSARO-PALAVRA
LIVRE
VOLÚPIA DE SER ASA
NA MINHA BOCA.

Que essa garra de ferro
Imensa
Que me dilacera

Desapareça
Do ensolarado roteiro
Do poeta
PÁSSARO-PALAVRA
LIVRE
VOLÚPIA DE SER ASA
NA MINHA BOCA

Que essa garra de ferro
Calcinada

Se desfaça
Diante da luz
Intensa palavra

PALAVRA-LIVRE
Volúpia de ser pássaro

Amada vertiginosa

Asa

by Hilda Hilst



OBRIGADO: Tais Luso dr Pedro Luso Rui Pires Brisonmatos Dilmar Gomes Cleber Eldridge Dilita