sexta-feira, 13 de março de 2015

O QUE SE DEIXOU PARA TRÁS



Sobre o que deixamos para trás, quando, inevitavelmente a vida nos empurra para outros lados, os que passam, os que ficam, os que encontramos. Ninguém, é substituível em essência, como impressão digital, somos únicos. E somos sós, perdidos, vagando num universo sem fim. “Um asteroide pequeno que todos chamam de terra”. Mas deixamos de ouvir certa voz, ver certo vulto, mesmo que alguma vez na semana, mas que se sabe ali, ao alcance de um toque. Não o toque de um teclado, este é libertador, ou não. Talvez as vítimas das maldades na internet não concordem. Na vida real. Mas isso também é virtual. Eu sou real e virtual. Quase um híbrido de Asimov, já havia nascido quando do inicio da revolução cibernética, e nunca chegarei a ser um cristal. Mas deixei meu destino seguir ao sabor dos meus sentimentos, longe de toda racionalidade, e cheguei aqui. Ouvindo tua voz ao longe dizendo da saudade de nossas conversas tão cultas, este humor tão teu, tão corrosivamente teu. Sobre o que deixei para trás, estão poemas lindamente traduzidos de Emilie Dickson, por um mestre dos palcos, que respiramos e compartilhamos o mesmo amor e respeito. Se fosse um caminho de conto de fadas, seriam pérolas para marcar a volta, após nos deliciarmos com a casa de doces da bruxa. Nunca saberemos o que deixamos para trás, além da saudade.

ZéRamalhoLorenaIvoBenderEmilieDicksonAsimovJoãoeMariaManuelBandeiraJuFernandoPessoaNicoRioPardo
o

16 comentários:

  1. O que deixamos para trás, ficará lá guardado numa caixinha. Qualquer pessoa que tente abrir essa caixinha não vai entender o que tem lá.
    Só a gente sabe da importância de tudo que guardamos e o que de certa forma levamos conosco.
    Tem saudades sim, das coisas boas que vivemos, mas também tem histórias ruiins que não esqueceremos.
    Viver é assim, pra mim tão simples, mas pra muita gente é complicado demais...E saiba que adoro ir em padaria buscar pão fresquinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Brison, estou ficando com medo, quem és tu, porque tão agressivo no post anterior, o que eu te fiz...mas adorei este comentário, falo disso, numa confusão de emails acabei mandando um para outro lugar, que por sua vez contataram comigo, expliquei o mal entendido e recebi um: quem,assim sei notícias tua, então comecei a lembrar o quão bom foi minha convivência com esta pessoa, era uma chefa, mas muito culta e inteligente, e eu respeito e admiro quem tenha um conhecimento acima do mediano. Não sei tudo, mas sou curioso e tenho dois ouvidos para ouvir e só uma boca, mas falo demais reconheço. Me desculpa se não entendi a piada, pois foi uma coisa trágica, como diz uma sobrinha, o que escrevo é muito dramático, e estava muito triste quando escrevi aquilo, mas morte ninguém merece,e já estou rindo do que escrevi, meu exercício de texto mórbido e triste. Não entendi a piada e eu também adoro fila de pão na padaria do mercado. O que passou foi bom ou ruím, ficam realmente as lembranças, até o esquecimento da velhice:
      “Só a gente sabe da importância de tudo que guardamos e o que de certa forma levamos conosco.”. Me perdoa, eu não sou assim, ou sou, mas meu avatar é bem melhor que eu e no comentário que fiz no teu que eu deletei, foi impulso de criança, embora ultrapasse a barreira dos 40, quase 50. Não quero mais falsa de morte nos meus posts, teu comentário que achei maldoso e deletei,nada mais era que um: te toca, morrer já era,algo meio Caiesco (Caiofernandoabreu). Mil vezes desculpa, fiz mal juízo de ti. Seja bem vindo a este humilde, mas bem frequentado (enquanto qualidade humana) pelos seres humanos mais legais que se poderia encontrar na blogosfera. O susto contigo é que sempre atraio e sou atraído por pessoas com palavras e humores mais leves,não sou tão inteligente para entender piadas sarcásticas, ainda mais quando estou sofrendo, eu estava velando o morto quando chegou teu comentário, fui impulsivo, espero ter te dado uma explicação. E perdão. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
  2. Muito bom esse post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado caro Artur Claro, legal que gostou, eu precisava quebar um sequencia trágica rs de posts, e no meio disso tudo surgiu isto, que é fato, que é ficção, que resultou neste post, valeu. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
  3. Bom dia, Jair
    sempre seremos empurrados pela vida, ás vezes nem podemos guardar nada do que queremos só para nós.E, sim somos únicos de um Universo Divino, somos essência do bem e do mal, porém temos o livre arbítrio para as escolhas. Belíssimo e culto seu texto. Vale para reflexão da vida......Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Marli, adoro tua presença neste blog, e tuas palavras são a cereja desde doce, deste afago que me fazes ao falar aqui...como entendo isso que dizes, gosto demais do termo 'Universo Divino', remete ao que acredito, embora fraqueje (tá certo ?) e me deixe abater, mas apenas retiro-me, minha essência do bem não me permite lutar, aproveitei tuas palavras que me calaram tão profundamente que diveguei rs, obrigado querida amiga Marli...sabe, este blog me ensina que apesar, apesar, apesar, quando se tem conexões assim, vale a pena, obrigado. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
  4. Jair, interessante - estou passando por algo parecido - ninguém é insubstituível, claro que não devemos fazer isso quando se trata de pessoas mas, infelizmente algumas pessoas são deixadas para trás, algumas vezes somos deixados para trás ... é complicado.


    R U Mine Man?
    http://rumineman.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu querido Chris, como gosto de tua presença, és um amigo diria, recente, mas mas que pela roda do destino, gostou da imensidão do termo rs, sério, tuas palavras serviram-me de certa forma para me fortalecer, já que o que não mata, diria Sartre ? enfim, gosto deste teu afago com palavras, pois tenho isso, essa relação com o que leio, mas alguns, às vezes parece que miram na ferida, ou na dor, ou no contrário de tudo o que acreditava ou acredito. Amigo, claro que ninguém é insubstituível, perdi meu pai a pouco mais de um ano, e nunca, nunca, nunca consegurei ou terei outro, muito menos minha mãe iria querer, enfim...espero ueu o que escrevi te sirva para o bem da siituação, assim como o que li em um teus blogs, ajudou a fazer a diferença, me trouxe outro post, numa outra vipe, mas enfim, como tem enfim, mas gosto de falar contigo, obrigado por se conectar comigo, temos ainda muito a aprender, enquanto isso vivamos e troquemos afagos, obrigado por tão sinceras palavras. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
  5. ...eu penso que nada conseguimos deixar
    para trás quando sabemos que a alma
    possui muitas gavetas e nelas cabem,
    repousam todas as lembranças que
    ficam guardadas no tempo.

    bjs, poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida Vivian, ricas, doces, maravilhosas palavras, gosto desta metáfora, desta coisa que de certa forma está em mim, acho que até já manifestei aqui no blog, mas mais do que isso, é a presença, do estar, tenho dito conexão, mas o elo, para mim é verdadeiro quando recebo um comentário e quero responder, fico muito feliz por isso, e agradecido por vires aqui, num espaço supostamente meu...gosto do que dizes, não só aqui, mas o que já andei lendo de tuas postagens. Fé, gosto disso. Mas deixar quieto ali, guardar e lembrar, no final é o que resta, a boa lembrança, e eu preso isso, alguns diriam que se vive de passado é museu rs, mas enfim minha querida amiga, obrigado, obrigado. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
  6. Olá, bom amigo Jair, eu penso que algumas coisas, que nos trazem saudades não devem ser esquecidas, pois toda a saudade só pode ser boa e nos traz carinho. Outras coisas devem ser deixadas, esquecidas – se possível, o que não é fácil. Certas lembranças estão sempre presentes porque a gente permite. Tudo aquilo que não vale a pena, tudo o que pode atrapalhar as mudanças em nós almejadas, o passado pode ser um entrave. Estou sempre exercitando o presente e futuro, mais o presente, pois tenho um pezinho no futuro, o que também não é muito bom. É sonhar fora do tempo. Mas certas broncas que aconteceram no passado, deixo tudo num canto, quietinho, dormindo - para não atrapalharem. Por que se deixarmos, elas estarão sempre presentes.

    Grande abraço, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida amiga Tais, sempre que abro meu blog e tem comentários já fico louco de feliz, mesmo estando triste às vezes, quanto te vejo dá uma palpitaçãozinha...gosto demais minha amiga de tua presença, teu afago, tuas palavras, sempre tão boas e construtivas para mim.
      Com certeza minha amiga, o passado pode ser um entrave, e gosto desta tua sinceridade, pois acredito e tento ser assim, sobre:
      "Estou sempre exercitando o presente e futuro, mais o presente, pois tenho um pezinho no futuro, o que também não é muito bom. É sonhar fora do tempo"
      Isto é bom demais e tão verdadeiro, falando do que aplico a mim, o que tento, exercitando sempre, quase um policiamento, eu tou sempre tentando melhorar, ou lembrar ou não lembrar, mas não é fácil minha amiga, mas não é difícil, exercitando. Obrigado sempre por tua luz, tua lucidez, tua amizade. Carinho respeito e abraço.

      Excluir
    2. É, mas sabe o que acontece nesse emaranhado todo? Nós nos culpamos demais, tudo é culpa! E eu já estou achando normal (já que somos todos imperfeitos), que esse passado e esse futuro é uma fuga naturalmente. Mas como vivermos apenas do presente se daqui a algumas horas já será passado?? Não te parece que somos obrigados a viver numa caixa de fósforo? Tenho pensado também nisso! As cobranças pessoais são uma desgraça. Aí me pergunto: mas que mal existe em fugir um pouquinho da realidade e sonhar com o futuro? Não será isso uma busca de proteção? Nossa mente é fantástica, ela encontra saídas para viver...
      Abraço, amigo! Esse é um assunto que vai longe... A mente humana é um labirinto.

      Excluir
    3. Minha querida amiga Tais, a culpa, eu logo vou pegando pra mim para poupar caminho rs...lembro de uma chefa que tive no começo deste trabalho público que estou até hoje, tinha uma chefa (Geisa) que gostava de mim e acredito que ainda goste, pois eu coloco ela entre as pessoas do passado que fazem parte de minha vida, pois é, de vez enquando tínhamos umas brigas, daí como quem pode manda e quem precisa...pedia desculpas e dizia que tinha problemas (ela também tinha problemas),mas ela respondia: - sim, tu tens problema. Ou seja, fui me acostumando a pegar logo a culpa para mim, assim como na minha vida. Não tinha pensado nisso, uma caixa de fósforos, uma metáfora perfeita para isso que venho tentando dizer pra mim, uma caixa de fósforo resume toda a teoria que vinha criando para salvar minha sanidade rs. O presente que era futuro, já virou passado. Então o que é o presente ? Pois é, fugir da realidade e sonhar com o futuro, é meio inevitável, quando jovem (não é o meu caso rs) pensar-mos desesperadamente no futuro, e no entanto...Sempre penso em fuga, mas é mais acertado, acredito, a busca de uma proteção, afinal o amanhã nos trás dúvidas, medos, o passado saudade ou graças a Deus que passou, no presente não temos tempo para ensaio, temos de viver...Que bom trocar estas idéias contigo, estou retomando depois de uns dias afastado, fugindo, ou melhor, buscando proteção no colo de minha mãe para encarar esta minha realidade, e deu certo por hora. Querida Tais meus amigos me fazem melhor, e eu os tenho, só neste post alguns, tu estás aqui, duplamente rs como a Marli, então minha amiga, obrigado, obrigado por questionar comigo esta coisa ´por vezes incomoda, mas boa demais, que é viver. Carinhorespeito e abraço.

      Excluir
  7. Olá Jair,passei para te deixar um abraço!
    Voltarei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sentindo-me abraçado querida Marli. Carinho respeito e abraço.

      Excluir