terça-feira, 5 de junho de 2018

A CIGANA MÁ

Após o chá com bolinhos e bolachas e um bom tempo de conversa, me despedi  de D.Nora, uma antiga vizinha de minha falecida avó. Fico sendo uma espécie de vó substituta. Sua casa é um pouco afastada do centro e das vilas da cidade, embora próxima, depois da casa dela começam os campos da zona de colonos ao redor da cidade. Caminhava pensativo, quando passei novamente por uma entrada, onde ainda está a placa, indicando a casa da sra Armina, mais conhecida como a professora bruxa Salomé, pois sempre socorria as pessoas em seus desesperos, por dinheiro, por amor, por saúde, geralmente com chás, ou no máximo algum incenso fabricado por ela, Que não cobrava, apenas aceitava doações. Parei e pensei em dar uma olhada, afinal é de tarde e temos um lindo  Sol brilhando no meio do céu. Lembrei então da história que minha vó postiça Nora me contou durante nosso chá, justamente por perguntar o paradeiro da velha bruxa...ela então falou o que muitos comentavam, que ela saiu em chamas no seu vestido de seda, em várias cores, rodopiando e gritando. primeiro nas alturas, depois sumindo mato adentro, e nunca mais se soube dela. Na minha curiosidade insisti em saber o que a levou a isso. Relutante dona Nora resolveu me contar. Era uma época difícil, muitos abandonavam a cidade, dizendo estar amaldiçoada e nada progredia, os negócios, as plantações, os animais morrendo misteriosamente. Foi então que o Prefeito da época foi se aconselhar com a professora bruxa. Ela leu em cartas, búzios, borra do café, I Ching e todos os livros de que dispunha, como nada lhe dizia algo concreto, apelou para sua última arma, uma bola de cristal. Mas ela só manuseava possuída de um espírito cigano, dos muitos que usavam seu corpo para chegar até nós. A bruxa porém, alertou o Prefeito, que a cigana era o único espírito que cobrava outras coisas, e não dinheiro. Dona Nora, então parou de contar-me e olhou-me nos olhos, perguntando: queres mesmo saber ? Respondi que sim com a cabeça, que a história estava ficando interessante. Ela continuou...O Prefeito disse que arcaria com todas as circunstâncias e pagaria o que ela pedisse. Então a professora bruxa chamou a Cigana Má, que apareceu na bola de Cristal e disse que queria um lindo vestido de seda, com várias cores e camadas, para tirar a maldição da cidade e queria uma dança especial, com muitas velas acesas no salão da prefeitura. O Prefeito aceitou, a professora bruxa saiu do transe e a imagem do cristal sumiu. Tudo foi providenciado pelo  Prefeito.
No dia da dança enfeitiçada, todos estavam ao redor da prefeitura, lá dentro apenas a professora bruxa Salomé e o Prefeito. Na sala oval foi instalado o altar de velas coloridas e acesas, muitas, muitas e já em transe a professora vestida no lindo vestido cigano de seda, e várias camadas de todas as cores. Iniciou-se o ritual da mais tirte dança cigana. Não sabia o prefeito que era uma crise mundial, era 1929 e a Bolsa de Valores America havia quebrado, levando a recessão e a derrocada de várias economias, inclusive naquela pequena cidade. Iniciado o ritual, surgiu música não se sabe de onde, as velas acesas dançavam e a professora em transe   começou a dançar, ao que seu vestido pegou  fogo,  pegando fogo também a sala    oval da prefeitura. O Prefeito sai correndo e gritando, e atrás a Cigana Má numa dança esquizofrênica dentro das labaredas, que assumiam várias cores. O povo sai correndo e gritando, e um vendaval de vento passa pela cidade levando para as alturas aquela bola de fogo colorida, que se transformou a Cigana Má, ou a professora bruxa Salomé, e nunca mais viram ela. Quando tudo voltou mais ou menos ao normal, chega um jornal da capital que informa que a crise de falência dos municípios havia acabado, e logo tudo retornaria ao normal. E retornou, apenas ficou a casa abandonada da professora bruxa. Esta era a história, e diante da placa que indicava o endereço de D. Armina ou a Professora Bruxa, decidi  continuar minha caminhada para casa, o que eu poderia encontrar na casa abandonada da bruxa ?  que tanto bem fez e muito mal colheu...o dia está tão lindo e sigo adiante, pensando em voltar para tomar mais um chá com Dona Nora, quem sabe não      me contaria outra história  tão ou mais macabra que esta.

Um comentário:

  1. Uuuuuaaauuuuu... Que história interessante!
    Quando possível,por favor, nos conte outras, pois gosto muito de histórias de assombrações e lendas.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir